Skip navigation


Richard Meier

  

Nasceu em Newark, New Jersey, em 1934. Após ter se graduado em arquitetura na Cornell University, em Ithaca, New York (1953-57), Meier trabalhou para Davis, Brody, e Wisneiwski; para Skidmore, Owings and Merrill (SOM); e para Marcel Breuer (1957-63). Desde então exerce sua profissão independentemente em seu escritório em New York.

Foi professor convidado por diversas universidades em New England (1973) e arquiteto residente na Academia Americana em Roma (1972). Foi, junto com Peter Eisenman, Charles Gwathmey, John Hedjuck e Michael Graves um dos “New York Five”, um grupo que nos anos 60 e 70 foi chamado de “The Whites”, devido a suas fachadas modernistas brancas, limpas e sem adorno. Seu objetivo é ir além da teoria e referência histórica explorando espaços, formas, iluminação perseguindo um vigor arquitetônico. Influenciado por Le Corbusier compunha inicialmente uma estética expressiva com justaposição de elementos, numa organização hierárquica e axial através da transparência e repetição. Atualmente enfatiza que prefere edifícios todos brancos compondo um conjunto de formas Neo-Corbusianas ligadas por rampas e passarelas, exemplificados pelas elegantes mansões brancas.

 

Igreja e centro comunitário, Roma-Itália

 

Richard Meier já recebeu quase todas as honras que se tem para receber em uma carreira de sucesso como arquiteto, incluindo o Prêmio Brunner do Instituto Nacional de Letras e Artes (1972), medalha de ouro na American Institute of Architects (1988) e o Prêmio Pritzker em 1984, aos 49 anos de idade, sendo o mais novo arquiteto a recebê-lo.

Após se graduar, Richard Meier viajou pela Europa e teve a oportunidade de conhecer Le Corbusier. Essa prematura admiração pelo mestre suíço talvez justifique as freqüentes comparações que foram feitas entre as obras dos dois arquitetos.

 

City Hall & Library, Haia

 

Museum of Decorative Arts – Frankfurt, Alemanha – 1981-1984

 

“Obviamente, eu não poderia criar meus edifícios sem conhecer nem amar as obras de Le Corbusier. Le Corbusier exerceu uma grande influência sobre meu modo de criar o espaço.

Frank Lloyd Wright foi um grande arquiteto, e eu não poderia ter feito a casa dos meus pais como eu fiz, sem ter sofrido influência da Casa da Cascata. Todos nós somos influenciados por Le Corbusier, Frank Lloyd Wright, Alvar Aalto e Mier Van der Rohe. Mas não menos que por Bramante, Barromini e Bernini. Arquitetura é uma tradição, uma longa continuidade. Se quebramos com as tradições ou reforçamos estas tradições, ainda somos ligados ao passado.Nós evoluímos.” (Richard Meier).

 

Atheneum

 

Smith House – Connecticut, 1965 – 1967

 

Entre 1958 e 1963, Meier trabalhou em vários escritórios de arquitetura. No ano de 1964 inicia suas atividades pedagógicas na Cooper Union, onde permaneceu por muitos anos.  Nesse mesmo ano recebeu o prêmio Arquitetura Record pelo desenho de residências.

Em 1975 foi convidado para ser professor de arquitetura na Universidade de Yale, mais um de seus numerosos cargos docentes. A partir daí, participou do concurso para o Museu de Artes Decorativas de Frankfurt do qual é vendedor. Em 1983, recebeu o prêmio Brunner Memorial Prize da Academia Americana e Instituto de Artes e Letras. Em 1984, recebe o Pritzker Prize. Apesar de seu prestígio, maior ainda na Europa, só recentemente Meier foi "descoberto" pela ilha onde vive e trabalha: em breve, duas torres residenciais, por ele desenhadas, serão inauguradas em Manhattan, bem na beira do Rio Hudson.

 

Richard Meier & Partners – 2007 – Edifício residencial, Nova York

 

Richard Meier é considerado um arquiteto da transparência. Sua fórmula é utilizar uma paisagem natural fantástica e instalar nesta, um cubo branco de vidro. Desenvolveu uma linguagem arquitetônica moderna, formada por uma trilogia: o branco (sua cor preferida), um módulo (o quadrado) e uma constante preferência pela luz natural. Proporciona através de seus projetos uma perfeita integração entre o interior e o exterior, interagindo com a natureza.           “Branco nunca é somente branco, é sempre transformado pela luz, a qual está sempre mudando, o céu, as nuvens, o sol e a lua”. (Richard Meier)

A Casa Meier foi um de seus primeiros projetos desenhado para seus pais. Outro exemplo de seu começo é o estúdio e apartamento de Frank Stella. A estreita amizade com a artista influenciou consideravelmente suas idéias estéticas. Stella tinha uma tendência à arte minimalista que desenvolveu-se nos EUA durante a década de 50 e só usava as formas geométricas mais simples. O caráter impessoal desse gênero é  visto como reação a emotividade do expressionismo abstrato. Essa tendência minimalista pode ser percebida nas obras de Richard Meier.

One Comment

  1. Estou estudando sobre ele e adorei os trabalhos realizados por ele. Realmente a arquitetura contemporania foiinspiração de suas tecnicas.tamara


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: